Adaptação: O que é e por que precisamos dela?

16 minute read

Atualizado em

Em um mundo ideal, colocaríamos um fim nas mudanças climáticas – isso se chama mitigação. Mitigação é qualquer ação que ajuda a reverter ou abrandar as mudanças climáticas, seja ao:

  • Diminuir as emissões de gases de efeito estufa OU
  • Remover os gases de efeito estufa da atmosfera

Contudo, as alterações climáticas já estão acontecendo. Isso significa que a mitigação não será suficiente, especialmente sem ações climáticas em larga escala ou a nível internacional. Assim, precisaremos nos adaptar aos efeitos das mudanças climáticas já existentes e aos futuros.

Adaptação e mitigação

Quais destas ações ambientalmente corretas são consideradas como uma adaptação?


Adaptar-se às mudanças climáticas significa realizar qualquer ação que nos permita continuar satisfazendo nossas necessidades básicas (comida, água, saúde, moradia) enquanto nos ajustamos às alterações do clima. Essa adaptação pode ser planejada antecipadamente ou funcionar como uma reação à mudança e envolve escolhas importantes vindas de todos os tipos de indivíduos, incluindo produtores rurais, empresários, políticos e pessoas comuns. Essas escolhas podem ajudar a reduzir os impactos negativos das mudanças climáticas ou, até mesmo, a aproveitar ao máximo seus potenciais benefícios, como períodos de crescimento mais longos para determinados cultivos.

Ao decidir como nos adaptarmos, precisamos ter cuidado para evitar a má adaptação. É aqui que as escolhas que fazemos agora acabam aumentando nosso risco mais tarde. Por exemplo, instalar mais equipamentos de ar-condicionado em espaços internos não é a melhor solução, já que isso pode aumentar o calor em ambientes externos através de emissões de gases de efeito estufa mais elevadas. É por isso que é importante avaliar quais opções serão sustentáveis a longo prazo.

A má adaptação é qualquer ação que piora o problema a longo prazo

Devemos nos adaptar?

Qual destas opções você acha que é o melhor caminho para enfrentar as mudanças climáticas?


Talvez você esteja pensando que a adaptação soa um pouco como desistir. Não deveríamos concentrar todos os nossos esforços em combater as mudanças climáticas? Bem, a adaptação tem algumas vantagens importantes:

  • Previne prejuízos futuros, como danos à infraestrutura e enfermidades
  • Proporciona oportunidades econômicas;
  • Cria benefícios sociais e ambientais mais amplos.

Basicamente, adaptar-se de forma inteligente pode nos proporcionar uma rede de proteção ao mesmo tempo em que nos auxilia a reduzir eventuais danos previstos pelos modelos climáticos. Para explicar isso, vamos dar uma olhada na ciência climática e suas incertezas. Em 2014, os modelos previram que, se parássemos os esforços para mitigar as emissões de gases de efeito estufa, a temperatura média global da superfície aumentaria de 3,7 para 4,8 °C até 2100, em comparação aos níveis pré-industriais. Contudo, esses modelos não contabilizaram a variabilidade dos dados e, se adicionarmos as incertezas climáticas a isso, o intervalo de temperatura pode aumentar de 2,5 para 7,8 °C.

Contabilizando a incerteza nos nossos modelos

Em outras palavras, quanto menos ações tomarmos para mitigar (parar) as mudanças climáticas, mais quente o planeta ficará e mais difícil será se adaptar. Podemos também inverter essa situação: quanto mais bem-sucedida for nossa adaptação, menores serão os possíveis impactos em nossa sociedade. Observe a seção azul do gráfico abaixo para ver como a adaptação pode nos ajudar a enfrentar uma gama mais ampla de condições climáticas.

Como a adaptação pode diminuir nossa vulnerabilidade às alterações climáticas?

Na verdade, você pode se surpreender ao descobrir que muitas pessoas já estão se adaptando – desde a construção de jardins de chuva de pequena escala que coletam água de tempestades até a realocação de comunidades inteiras, como a ilha de Jean Charles, nos EUA.

Portanto, a pergunta importante não é se devemos nos adaptar, mas como devemos nos adaptar – qual deve ser a escala e a velocidade da nossa resposta?

A maioria dos cientistas concorda que precisamos tanto da mitigação quanto da adaptação na luta contra as mudanças climáticas. A parte difícil é achar um equilíbrio entre as duas, considerando nosso tempo e recursos limitados.

No entanto, se for feita de forma eficaz, uma abordagem equilibrada seria provavelmente a opção mais barata ao longo do tempo. Confira o gráfico abaixo e veja como isso funcionaria.

O que é mais barato? Adaptação, mitigação ou um mix?

Com um pouco de planejamento, podemos até encontrar soluções inteligentes que mesclem as duas abordagens. Um bom exemplo disso é a gestão do solo, na qual solos saudáveis conseguem estocar carbono (ajudando na mitigação) e agir como atenuadores contra as mudanças climáticas ao prevenir deslizamentos e melhorar a drenagem do solo (ou seja, adaptação).

Soluções inteligentes enfrentam ambos os problemas de uma só vez

Como e quando devemos nos adaptar?

Há algumas maneiras diferentes de se adaptar; então, vamos explorar algumas de nossas opções:

1. A "adaptação reativa" ou "retrofit" é necessária quando os efeitos das mudanças climáticas já estão sendo sentidos. O aumento do nível do mar é um bom exemplo das consequências das alterações do clima às quais já precisamos nos adaptar.

Adaptação reativa

2. “Adaptação preventiva” é quando escolhemos nos adaptar antes de sentirmos as consequências das mudanças climáticas. Em alguns casos, isso pode ser mais efetivo, fácil e menos custoso do que fazê-lo mais tarde

Adaptação Preventiva

3. Adaptações "sem" ou "com pouco arrependimento" são as soluções que criam vantagens imediatas. Alguns exemplos das opções com pouco arrependimento incluem a coleta de água pluvial ou não construir em áreas com alto risco de inundações (o que soa óbvio, mas ainda acontece!).

Adaptação Sem/Com Pouco Arrependimento

Digamos que sua casa esteja ficando quente demais nos meses de verão e você decidiu instalar uma camada refletiva no telhado e janelas adicionais. Você acha que isso é uma...


Quanto custará?

Boa pergunta. O Banco Mundial estima que a adaptação para 2 °C de aquecimento custará de 70 a 100 bilhões de dólares por ano entre 2010 e 2050. No entanto, os custos e benefícios vão variar de acordo com a localização e com o investimento.

Um ponto de concordância entre os pesquisadores é que a maneira mais barata de se adaptar é começando agora. Isso porque à medida que o clima muda, o custo da adaptação aumenta e começamos a perder opções, submetendo-nos a danos cada vez maiores. Esses danos causados pelas mudanças climáticas a que não conseguimos nos adaptar são chamados de "danos residuais".

Como lidar com os custos das alterações climáticas

Contudo, com a crescente pressão para se adaptar, quase metade das maiores empresas do mundo concordam que soluções adaptativas poderiam gerar um lucro de US$ 236 bilhões a curto e médio prazo. Isso, por sua vez, poderia criar diferentes tipos de oportunidades, em um efeito dominó.

Todos os países podem arcar com os custos da adaptação?

Todo país precisará se adaptar. No entanto, apesar da ameaça global, muitos países que conseguem se adaptar ainda não definiram metas de adaptações mensuráveis através de leis e políticas nacionais.

O que você acha que "lacuna adaptativa" quer dizer?


As desigualdades econômicas existentes sugerem que alguns países não terão condições financeiras de se adaptarem tanto quanto outros. Apesar de os países ricos serem os principais contribuintes das mudanças climáticas, os mais pobres sentem os efeitos de forma mais severa. Além disso, os países mais ricos conseguem alocar mais recursos financeiros para frear e se adaptar a esses problemas, enquanto os países em desenvolvimento geralmente não têm os recursos necessários para uma adaptação efetiva. Isso cria uma lacuna adaptativa entre países com baixa e alta renda. Essa situação é um problema extremamente injusto e muito provável de piorar entre 2030 e 2050.

A Lacuna Financeira de Adaptação

Como lidamos com a lacuna adaptativa?

Acima de tudo, precisamos reconhecer que a adaptação às alterações climáticas deveria estar associada ao desenvolvimento justo e sustentável em todo o mundo. Isso significa trabalhar para ajudar as populações que são mais vulneráveis às mudanças climáticas e encontrar formas de financiar, de maneira mais efetiva, as adaptações nesses locais.

Quais áreas da sociedade precisam se adaptar?

A adaptação será vital para construir uma sociedade melhor hoje e no futuro. Precisamos adaptar cada setor da sociedade – desde como obtemos nossos alimentos e água até como mantemos todos saudáveis e fornecemos abrigo.

Em primeiro lugar, vamos explorar como adaptar a forma como produzimos os alimentos no nosso planeta em mudança.

Próximo Capítulo