Produzindo carnes: A pecuária é ruim para o planeta?

11 minutos de leitura

Atualizado em: 14 Dec 2020

Image of Redução de emissões pelas carnes?

Redução de emissões pelas carnes?

A pecuária é responsável por 14,5% das emissões de gases de efeito estufa de origem antrópicas.

Image of Emissões de gases de efeito estufa pela pecuária

Emissões de gases de efeito estufa pela pecuária

Se você se lembra, N₂O e CH₄ são os gases de efeito estufa mais potentes do que CO₂.

Alguns produtos de origem animal contribuem mais para as emissões do que outros.

Image of A contribuição de diferentes produtos de origem animal para emissões

A contribuição de diferentes produtos de origem animal para emissões

Os piores culpados são ruminantes, como vacas e ovelhas. Na verdade, ruminantes são responsáveis por 80% das emissões de gases de efeito estufa relacionadas à pecuária, enquanto fornecem apenas 50% da proteína gerada pela criação de animais . Isso se deve em grande parte a um processo chamado fermentação entérica.

A fermentação entérica ocorre quando o capim e o feno são decompostos pelos milhões de micróbios que vivem no estômago do ruminante. Durante estadigestão, os micróbios produzem CH₄, que o ruminante então arrota .

Image of Fermentação Entérica

Fermentação Entérica

O estrume dos animais e seu manejo contribuem ainda mais para as emissões de CH₄, e também produzem N₂O .

No geral, ruminantes produzem 2.7 Gt CO₂eq de metano a cada ano, sendo responsável por cerca de 5.5% do total de emissões de gases do efeito estufa causadas por atividades humanas .

A produção pecuária também ocupa 77% das terras agrícolas, apesar de fornecer apenas 18% das calorias mundiais e 37% das proteínas. Isso ocorre porque a terra é necessária tanto para o cultivo da ração animal, como para o próprio rebanho.

Na verdade, 33% das áreas de cultivo são usadas para ração animal , e a produção de ração é responsável por 41% das emissões da pecuária .

Image of Emissões provenientes da pecuária: Fontes

Emissões provenientes da pecuária: Fontes

Comer animais é, portanto, uma forma muito ineficiente de obter energia .

Como podemos reduzir as emissões da produção pecuária?

É importante lembrar que diferentes métodos de cultivo têm impactos ambientais significativamente diferentes. Por exemplo, fazendas bovinas de alto impacto podem emitir 12 vezes mais gases de efeito estufa do que fazendas de baixo impacto .

Vamos dar uma olhada em como os agricultores podem reduzir suas emissões e tornar a pecuária mais eficiente.

As fazendas de animais podem remover CO₂ da atmosfera?

As pastagens usadas para criar gado são capazes de reter mais carbono do que a terra usada para o cultivo . Se o pastoreio do gado for cuidadosamente administrado, essas pastagens podem absorver mais de 1,7% das emissões globais de CO₂ . Isso pode não parecer muito, mas é o suficiente para remover 81% do carbono liberado pelas viagens aéreas !

Image of Prevenção do sobrepastoreio

Prevenção do sobrepastoreio

O estrume do rebanho melhora a qualidade e a fertilidade do solo e pode aumentar o potencial do solo para armazenar carbono . A movimentação de animais entre campos diferentes permite aos fazendeiros gerenciar o acúmulo de estrume, para que possam explorar esses benefícios enquanto minimizam as emissões de N₂O e CH₄ do esterco não utilizado que se acumula na superfície do solo .

No entanto, o potencial dapastagem para absorver carbono varia consideravelmente por local , e há um limite para quanto carbono pode ser armazenado . Na maioria dos casos, converter a terra de volta ao seu estado natural de floresta removerá mais carbono da atmosfera do que manter os pastos para pastagem !

É claro que a grama do pasto não é o único alimento usado para nutrir os rebanhos.

Mudanças na ração

A fermentação entérica é usada para decompor alimentos de difícil digestão, como feno e palha . Substituí-los por alimentos mais digeríveis poderia reduzir a quantidade de CH₄ produzida por animal .

Por exemplo, a inclusão de algas marinhas na dieta de uma vaca demonstrou reduzir as emissões de CH₄ em mais de 50% ! As algas marinhas também são ricas em muitos nutrientes essenciais e não precisam ser cultivadas em terra .

Para garantir que os animais recebam proteína suficiente, insetos podem ser adicionados à ração. A larva da mosca-soldado-negro fornece uma fonte barata e sustentável de proteínas e outros nutrientes essenciais, e pode ser cultivada em resíduos orgânicos, como esterco e restos de cozinha .

A engenharia genética de cultivos de ração também pode ser útil para garantir que os animais recebam todos os nutrientes de que precisam nas quantidades certas, enquanto reduz as emissões de CH₄ (para mais informações, veja o capítulo anterior) .

Image of Potenciais rações para animais

Potenciais rações para animais

Portanto, podemos alterar o que entra. E quanto ao que sai?

Gestão de resíduos

Microrganismos no esterco convertem matéria orgânica em CH₄ e nitrogênio em N₂O .

Todo esse esterco precisa ser armazenado em algum lugar. Microrganismos produtores de gases de efeito estufa são mais ativos em ambientes mais quentes e úmidos , portanto, as condições sob as quais armazenamos estrume afetam significativamente as emissões .

Image of Animais produzem MUITO estrume

Animais produzem MUITO estrume

Em muitos casos, manter o estrume fresco e seco requer energia . Mas e se o estrume pudesse ser usado para produzir energia?

Se a atividade microbiana é controlada em um recipiente fechado, e na ausência de oxigênio, ela pode ser usada para produzir energia na forma de biogás . Este processo é denominadodigestão anaeróbica .

O biogás pode ser queimado e utilizado para aquecimento ou geração de eletricidade . No entanto, as usinas de biogás têm alto custo de instalação e podem causar poluição local .

Image of Digestão anaeróbica

Digestão anaeróbica

Podemos mudar os próprios animais?

A criação de animais é outra forma de reduzir as emissões da pecuária .

Animais com maior eficiência energética convertem mais de sua ração em carne ou leite. Portanto, menos deles são necessários para produzir a mesma quantidade de alimentos .

Eles também retêm mais nitrogênio de seus alimentos, portanto, a seleção dessas raças reduzirá as emissões de N₂O do estrume (consulte os capítulos anteriores para obter mais informações sobre Reprodução Seletiva) .

A genética de um animal também afeta quais microrganismos escolhem viver em seu intestino . Algumas raças têm menos microrganismos produtores de metano apenas por causa do seu DNA! A seleção dessas raças irá, portanto, reduzir as emissões de metano devido à fermentação entérica .

A engenharia genética na pecuária também é uma opção para aumentar a eficiência do rebanho e reduzir as emissões . Poderia até ser usado para tornar os animais resistentes à doenças, melhorando sua saúde e produtividade . No entanto, existem várias questões éticas e técnicas em torno da engenharia genética de animais, por isso pode demorar um pouco antes de vermos pecuaristas adotando essa estratégia .

Redução de consumo

Talvez a maneira mais óbvia de reduzir as emissões seja reduzindo a quantidade de carne que comemos. Removendo produtos de origem animal de nossas dietas, as emissões de gases de efeito estufa do setor alimentício poderiam ser reduzidas em quase 50% !

No entanto, é improvável que o mundo inteiro torne-se vegano do dia para a noite. Nos países em desenvolvimento, a pecuária é uma fonte importante de nutrientes e renda, além de fornecer serviços agrícolas essenciais, como transporte e aração .

Reduções consideráveis de emissões ainda podem ser feitas se reduzirmos a quantia de carne que comemos, e trocarmos a carne bovina por carnes de menor impacto, como frango .

Conclusão

A pecuária é uma importante fonte de emissões de gases de efeito estufa e poluição ambiental. Mudanças nas práticas agrícolas podem reduzir consideravelmente os impactos negativos deste setor em nosso planeta, mas os agricultores não podem fazer muito!

Ao reduzir nosso consumo de carne e mudar para dietas mais baseadas em vegetais, podemos reduzir significativamente nossa pegada de carbono individual.

Até agora, nos concentramos nos problemas e soluções para a agricultura terrestre. No entanto, a terra cobre apenas 29% da superfície da Terra. E os outros 71%? Próximo Capítulo!

Próximo capítulo