Extinção: As mudanças climáticas estão causando extinções em massa?

11 minutos de leitura

Atualizado em: 14 Dec 2020

Todos os seres vivos, desde os animais até as plantas, os fungos e as bactérias são agrupados em espécies.

Contudo, muitas espécies estão lutando pela sobrevivência. Por causa do derretimento do gelo marinho, quase todos os ursos polares terão desaparecido até 2100. E não são apenas eles: a rápida mudança do clima é uma ameaça para muitas espécies.

Image of

Na verdade, os cientistas agora pensam que o planeta está enfrentando uma extinção em massa, em parte devido às mudanças climáticas . Mas o que exatamente isso significa e por que está acontecendo?

Os cientistas não sabem ao certo quantas espécies existem na Terra – pode ser algo entre 2 milhões e cerca de um trilhão! Uma pesquisa estimou que existem cerca de 8,7 milhões de espécies na Terra hoje .

As outras 99%? Extintas. Mas o que exatamente significa “extinto”?

De modo geral, uma espécie se extingue quando não há mais indivíduos vivos . O “tempo de vida” de uma espécie varia, mas os cientistas estimam que as espécies existam entre 1 e 10 milhões de anos .

Um evento de extinção em massa ocorre quando mais de 75% de todas as espécies do planeta desaparecem em um curto período de tempo geológico – normalmente, menos de 2 milhões de anos . Olhando para o registro fóssil, houve cinco extinções em massa nos últimos 540 milhões de anos ou mais .

Os cientistas geralmente atribuem esses eventos de extinção em massa a múltiplas ameaças interagindo entre si – muitas vezes incluindo climas incomuns e desastres naturais, como grandes erupções vulcânicas e impactos de \definition {asteroide} {asteroid} .

A extinção em massa mais recente ocorreu há 66 milhões de anos, marcando o fim da era dos dinossauros .

Image of Registro de extinção

Registro de extinção

Extinções recentes

Embora seja natural que espécies se extingam , a taxa de extinção está aumentando devido às atividades humanas e às mudanças climáticas causadas pelo homem .

Desde o século 16, pelo menos 680 espécies de vertebrados foram levadas à extinção . Esses números podem parecer baixos, mas o homem aumentou as taxas de extinção em 1000 vezes acima das "taxas naturais" (a taxa esperada se os seres humanos não estivessem por perto) . De fato, as taxas de extinção atuais são comparáveis às taxas prévias de extinções em massa!

Image of Taxas de extinção no passado, presente e futuro

Taxas de extinção no passado, presente e futuro

Por essa razão, muitos cientistas pensam que estamos passando por uma sexta extinção em massa. Eles acreditam que entramos em uma nova época geológica, chamada de “Antropoceno” por causa da influência humana cada vez maior na Terra .

Image of Comparando a magnitude das extinções modernas e passadas em diferentes grupos de animais

Comparando a magnitude das extinções modernas e passadas em diferentes grupos de animais

Atualmente, a temperatura média global está subindo mais rápido do que já registrado no passado. Se não agirmos agora, poderemos atingir temperaturas nunca vistas em mais de 5 milhões de anos já em 2100 .

Image of A temperatura média global está subindo mais rápido do que já registrado no passado

A temperatura média global está subindo mais rápido do que já registrado no passado

Infelizmente, os cientistas preveem que muitas das atuais espécies na Terra são incapazes de assimilar essa taxa de mudança por adaptação.

Acredita-se que cerca de 1 milhão de espécies de plantas e animais estejam ameaçadas de extinção, em parte porque o aquecimento global está acontecendo muito rápido .

A batalha pela sobrevivência é dificultada por outras ameaças dos humanos, tais como poluição, caça e desmatamento, que destrói os lares de muitas espécies .

As mudanças climáticas podem piorar os impactos dessas outras ameaças . Um experimento descobriu que o declínio da população era 50x mais rápido quando as ameaças agiam juntas em comparação com quando cada ameaça agia individualmente !

Extinções no presente

Embora seja difícil destacar a contribuição específica das mudanças climáticas para as extinções modernas, está claro que muitas populações estão diminuindo globalmente .

Entre 1970-2014, mais de 16 000 populações de vertebrados de 4000 espécies diminuíram em 60% em média .

Image of Índice Planeta Vivo

Índice Planeta Vivo

Sem esforços de conservação, qualquer uma dessas espécies poderia se tornar “localmente extinta”. Isso ocorre quando uma espécie não vive mais em uma determinada área, mas ainda existe em outras partes do mundo .

Já há muitas evidências de extinções locais ocorrendo devido às mudanças climáticas . À medida que as extinções locais aumentam, as espécies se aproximam cada vez mais da extinção global.

Extinções do futuro

Os modelos usados para prever o risco de extinção de diferentes espécies são limitados pelo poder de computação e devem, portanto, fazer muitas suposições (veja nosso capítulo “Modelos Climáticos”) . Além disso, para manter os modelos simples, os efeitos das interações entre diferentes espécies muitas vezes não são considerados .

Apesar dessas limitações, bem como das variações entre diferentes locais e espécies, as previsões são frequentemente sombrias .

Image of

Um estudo previu que 5% das espécies estariam em risco de extinção se o mundo aquecesse 2 °C, e 16% estariam em risco se o aquecimento subisse para 4,3 °C . Essa não é uma perspectiva desejável!

Mas como as mudanças climáticas causam, de fato, o declínio e a extinção da população?

Impactos negativos diretos das mudanças climáticas

Uma maior frequência e uma maior gravidade de eventos climáticos extremos são apenas algumas das maneiras pelas quais as mudanças climáticas podem matar diretamente a vida selvagem .

Por exemplo, ondas de calor na Austrália fazem com que coalas morram de desidratação quando as folhas que eles comem secam, e 23 000 raposas voadoras morreram de superaquecimento em 2018.

Embora o aumento da temperatura acima do nível de tolerância de uma espécie seja frequentemente o primeiro impacto que vem à nossa mente, outras mudanças físicas podem amplificar o estresse sobre a vida selvagem também.

Aumentos no nível do mar reduzem a disponibilidade de habitat, especialmente em áreas costeiras e ilhas com costas no nível do mar . Isso significa que os animais podem ter menos acesso a alimentos e áreas de convivência, reduzindo sua chance de sobrevivência . Para muitas formas selvagens de vida costeira, como aves marinhas, isso também resulta em menos locais disponíveis para reprodução.

Uma espécie recentemente levada à extinção por impactos diretos das mudanças climáticas é a Melomys rubicola . A pequena ilha em que esse roedor australiano vivia estava sujeita à elevação do nível do mar e piores enchentes durante as tempestades. Isso levou a uma dramática perda de habitat e acabou exterminando a espécie .

Image of Extinção de Melomys rubicola

Extinção de Melomys rubicola

As inundações costeiras também tornam a terra e a água mais salgadas. Isso é um problema para plantas que não estão adaptadas aos ambientes salgados, pois faz com que a água seja retirada de suas células, levando à desidratação .

Impactos indiretos por meio de interações biológicas

As mudanças climáticas também podem reduzir indiretamente o tamanho da população, mudando praticamente todas as maneiras pelas quais as diferentes espécies podem interagir .

As interações entre as espécies alteradas têm maior probabilidade de levar à extinção do que os efeitos diretos das mudanças climáticas. Cargas de diferentes espécies podem interagir de maneiras inimaginavelmente complexas. Se uma espécie for extinta, isso pode levar à extinção de outras, e assim por diante.

Vejamos a floresta tropical em Porto Rico como um exemplo. A temperatura máxima média diária aumentou 2 °C desde 1970, o que matou artrópodes (um grupo de animais sem coluna vertebral, incluindo insetos) devido ao estresse térmico . A participação total dos artrópodes na floresta, em 2013, era pelo menos de 4 a 8 vezes menor do que na década de 1970 .

Image of Peso reduzido de artrópodes na floresta

Peso reduzido de artrópodes na floresta

Lagartos, rãs e pássaros que se alimentam de artrópodes têm, portanto, reduzido em número devido à falta de alimento. Por exemplo, descobriu-se que pássaros que comem insetos eram 53% menos comuns em 2005 do que em 1990. Isso mostra como as mudanças climáticas podem causar uma cascata de declínios em toda a cadeia alimentar – e em tão pouco tempo também!

Mas esse não é apenas um problema de disponibilidade de alimentos. Além de comerem e serem comidas, as espécies também desempenham muitos outros papéis importantes nos ecossistemas – veremos mais exemplos nos próximos dois capítulos.

Conclusão

Agora, sabemos mais sobre como as mudanças climáticas podem afetar negativamente a vida selvagem, e como o declínio de apenas uma espécie pode afetar todo um ecossistema.

Existem muitas outras ameaças às espécies, além das mudanças climáticas, que precisam ser combatidas. No entanto, resolver as mudanças climáticas reduzirá as pressões sobre as populações humanas e de vida selvagem! Aprenderemos mais sobre essas soluções em outros cursos da ClimateScience.

Próximo capítulo