A vida no oceano e no mar: O impacto das mudanças climáticas sob a superfície

11 minutos de leitura

Atualizado em: 14 Dec 2020

Apesar do nosso planeta ser chamado Terra, 71% de sua superfície é coberta por água. Durante a maior parte da nossa história, o oceano foi considerado como um recurso quase inesgotável, tão grande que nós nunca poderíamos afetá-lo. Isso nos levou a maltratá-lo, enchendo-o de lixo e esgoto. Junto aos efeitos das mudanças climáticas, isso representa uma séria ameaça à vida no oceano.

Você provavelmente não vive embaixo d’água, e talvez possa imaginar uma dieta sem peixe. Então, por que deveríamos nos importar?

O oceano absorve 90% do aquecimento global

É preciso muito mais energia térmica para aquecer 1 kg de água a 1 °C do que para aquecer 1 kg de ar a 1 °C. Em termos científicos, isso significa que água tem um calor específico muito alto.

Image of Calor específico

Calor específico

O oceano absorveu mais de 90% da energia térmica adquirida pelo planeta nos últimos 50 anos. Se essa energia tivesse sido absorvida pelo ar nos 10 km mais baixos de nossa atmosfera, já teríamos visto um aumento de temperatura em torno de 36 °C!

Em vez disso, toda essa energia aqueceu o oceano. A maior parte do aquecimento ocorreu nos 75 m superiores da superfície do oceano, que ganhou entre 0,4 e 0,5 °C em 40 anos. Isso é muito menos do que 36 °C por causa do calor específico da água.

Mas isso não é tudo! O oceano também armazena quase 25% do carbono que emitimos para a atmosfera. Esse armazenamento é impulsionado pela vida dentro do oceano e por CO₂ dissolvendo-se na água do mar .

Armazenar energia e CO₂ permite que o oceano mantenha o clima da Terra estável apesar das atividades humanas. Isso é conhecido como atenuação das mudanças climáticas.

Embora prever esses valores seja muito difícil, estima-se que o oceano absorverá e armazenará 9% (+/- 8%) menos carbono na década de 2090, em comparação com a década de 1990, se continuarmos a aumentar as emissões de CO₂.

Vamos ver um exemplo dos efeitos que as atividades humanas têm.

Por que estamos perdendo recifes de coral?

Recifes de coral são o lar de centenas de milhares, senão milhões, de espécies. Isso os torna alguns dos lugares com maior biodiversidade na Terra.

Assim como as árvores em florestas tropicais, os corais dão aos recifes sua estrutura. Os corais são animais invertebrados que permitem que algas vivam dentro deles. Em troca, as algas pagam seu aluguel fornecendo alimento aos corais. Isso é chamado de simbiose.

Image of Os recifes de coral estão cheios de vida

Os recifes de coral estão cheios de vida

Os recifes de coral apoiam diretamente cerca de 500 milhões de pessoas em todo o mundo de várias maneiras:

  1. Eles fornecem uma casa para um quarto de todas as espécies de peixes. Embora eles produzam apenas de 2 a 5% das capturas de pesca global anualmente, peixes associados aos recifes contribuem com 25% do total das capturas de peixe em países em desenvolvimento.
  2. Eles protegem as pessoas de inundações e tempestades através da indução da quebra das ondas.
  3. Eles fornecem renda a pelo menos 94 países ao atrair turismo, contribuindo significativamente para muitas de suas economias.

Enquanto a atenuação pelo oceano pode ser boa para nós em terra, os corais estão tomando o golpe debaixo d’água. Quando o estresse pela temperatura aumenta, as algas produzem moléculas que podem danificar seus corais hospedeiros. Isso faz com que os corais se livrem das algas.

Além de fornecer comida, as algas são responsáveis pela cor dos corais. Corais sem algas, portanto, ficam brancos e com fome. Isso é chamado de branqueamento do coral.

Image of Branqueamento do coral

Branqueamento do coral

Desde a década de 1870, perdemos cerca de metade dos corais vivos no oceano! Graves branqueamentos, nos quais áreas inteiras do coral são branqueadas, costumavam ocorrer uma vez a cada 25 anos. Agora, eles acontecem a cada 6 anos.

Já atingimos 1,0 °C de aquecimento. Os recifes de coral são tão sensíveis que, se as temperaturas chegarem a 1,5 °C acima dos níveis pré-industriais, prevê-se que de 70 a 90% deles serão perdidos. Se atingirmos 2 °C, quase todos os recifes de coral serão perdidos.

Tudo isso é agravado por um problema conhecido como acidificação do oceano: quando o CO₂ reage quimicamente com água (H₂O), resulta em um aumento no número de íons de hidrogênio (H⁺) encontrados na água. Isso torna o oceano mais ácido, como um limão, mas não tanto quanto. Mais acidez deixa mais lentas as reações químicas que os corais precisam para construir seus esqueletos rígidos, tornando-os ainda mais vulneráveis.

Os desafios que as espécies marinhas enfrentam

Normalmente, as espécies marinhas são mais distribuídas do que as espécies terrestres e podem percorrer distâncias mais longas facilmente. Isso significa que as extinções completas no oceano são mais raras e mais difíceis de se manter o controle. No entanto, há várias maneiras com as quais a redução ou movimento de populações de espécies podem ser sentidas em um ecossistema.

Vamos ver um exemplo de como a abundância de uma espécie pode ser importante para um ecossistema:

Image of A importância das lontras marinhas

A importância das lontras marinhas

As lontras marinhas do sul são muito importantes para os locais onde há florestas de kelp - algas gigantes, porque elas comem ouriços do mar, mantendo a sua população sob controle. No entanto, as lontras marinhas estão em risco de extinção. Quando as populações de lontra marinha estão baixas, os ouriços estão livres para comer essas algas, e a floresta de kelp inteira eventualmente desaparece.

As consequências do aquecimento nas interações entre espécies

A água profunda e a água perto dos polos é fria. Portanto, muitas espécies estão se movendo em direção a eles. Desde a década de 1950, temos visto a área na qual espécies vivem se mover até 50 quilômetros por década!

No entanto, algumas espécies são menos capazes de se mover, e o tamanho da área em que podem viver diminuiu. Isso ocorre porque as regiões se aquecem demais ou experimentam ondas de calor mais fortes. Como vimos no capítulo anterior, temperaturas mais altas no começo do ano podem alterar os ciclos de vida das espécies e a disponibilidade de alimentos.

Alterações de onde e quando as espécies são encontradas no oceano não necessariamente acontecem ao mesmo tempo ou na mesma velocidade para diferentes espécies. Como resultado, algumas espécies que normalmente interagiriam não conseguem encontrar as outras porque procuram no lugar errado ou no momento errado. Isso se chama incompatibilidade.

Image of Incompatibilidade de espécies

Incompatibilidade de espécies

As interrupções nas interações entre as espécies mudam a organização dos ecossistemas marinhos. As populações de predadores diminuem: quando são incompatíveis com a presa ou quando a sua presa diminui, eles têm menos alimento, e as espécies dominantes no ecossistema podem mudar.

Vamos ver um exemplo de como as temperaturas que afetam a disponibilidade de alimentos para uma determinada espécie podem ter efeitos em muitas outras espécies ao longo de uma cadeia alimentar:

Image of O impacto se alastra pela cadeia alimentar

O impacto se alastra pela cadeia alimentar

Quais outras ameaças o oceano enfrenta?

O oceano está ameaçado por muitas outras atividades humanas que se combinam para piorar a situação.

Continuamos usando o oceano para despejar resíduos, incluindo esgoto, produtos químicos industriais, fertilizantes da agricultura e cerca de 8 milhões de toneladas de plástico todos os anos.

Ainda assim, a maior ameaça para a vida no oceano hoje em dia é a exploração por meio da pesca. Para saber mais sobre isso, você pode conferir nosso capítulo sobre Aquicultura no curso de Agricultura.

Image of Impacto nas variáveis essenciais da biodiversidade

Impacto nas variáveis essenciais da biodiversidade

Variáveis essenciais da biodiversidade são fatores importantes para descrever o estado dos ecossistemas, por exemplo, se as populações estão estáveis e aspectos como o comprimento e a complexidade das cadeias alimentares. A pesca causa 29% das mudanças nessas variáveis nos sistemas marinhos, enquanto as mudanças climáticas são responsáveis por 16% e a poluição, por 15% das mudanças .

Isso significa que você não deve se preocupar com os efeitos da mudança climática no oceano?

Não, você deve se preocupar! Como você viu com os recifes de coral, o impacto das mudanças climáticas está piorando e, conforme importantes ecossistemas desaparecem, também desaparece o habitat para muitas espécies .

A vastidão do oceano vem nos fascinando por centenas de anos. Vamos cuidar dele como ele cuidou de nós!

Ir para o quiz!