Pessoas: Por que as mudanças climáticas aumentarão a desigualdade

15 minute read

Atualizado em

Você pode achar isso egoísta, mas nos importamos muito sobre como as mudanças climáticas afetarão as pessoas! Neste capítulo, nós iremos discutir o que significam as mudanças climáticas para a vida das pessoas - para nossa água, comida e saúde. Nós também iremos desvendar quem serão os mais afetados e por que isso é completamente injusto.

Água demais ou insuficiente?

A água está em todo o lugar! Está no seu sangue e dentro das suas células, correspondendo a aproximadamente 60% do seu peso corporal. Entretanto, 2,2 bilhões de pessoas não têm acesso à água potável segura!

Não ter água suficiente é grave, mas água demais também é! As enchentes têm afetado mais pessoas do que qualquer outro desastre climático nos últimos 20 anos. Além das mortes, enchentes podem destruir prédios, causar deslizamentos de terra e piorar os efeitos de doenças transmitidas pela água.

Os problemas de se ter muita ou pouca água irão piorar à medida que as mudanças climáticas tornam os locais secos mais secos e os locais alagados ainda mais alagados (mais informações no curso "Previsões Climática")!.

Número de pessoas afectadas por catástrofes relacionadas com o clima (excluindo mortes) de 1995-2015

Como é que as inundações afetam o abastecimento de água aos seres humanos?


Enchentes podem destruir os locais de abastecimento de água potável, além de tanques de esgoto e encanamentos. Elas também podem misturar água limpa com água suja ou água do mar, tornando a água potável não segura para beber. O aumento do nível do mar piora ainda mais esse problema.

As secas também estão fadadas a piorar com as mudanças climáticas. Isso ameaçará ainda mais o acesso à água potável, mesmo nas áreas que normalmente não são secas.

Quantas pessoas terão dificuldade em ter acesso à água potável até 2050?


Isto corresponde a mais da metade da atual população mundial!

A dificuldade no acesso à água tem efeitos diretos na água potável, além de tornar mais difícil para agricultores irrigarem os cultivos. Secas e ondas de calor têm reduzido a produtividade de cereais entre 9 e 10% em média nas últimas décadas.

Secas e insegurança alimentar

Teremos comida suficiente?

Mudanças climáticas afetarão o crescimento dos cultivos de diferentes formas ao redor do mundo, dependendo do clima local e nos tipos de alimentos ali cultivados.

O crescimento de sete principais tipos de cultivos na Europa é, na realidade, previsto em uma média de 8% até 2050 devido às mudanças climáticas. Trigo e beterraba sacarina particularmente terão um grande aumento no crescimento - boas notícias para os cereais do café da manhã!

Porém, isso é apenas na Europa. Dê uma olhada no mapa abaixo, o qual mostra as mudanças esperadas na produtividade dos cultivos até 2080:

Mudança na produtividade agrícola em todo o mundo até 2080

Os países que já enfrentam elevados índices de fome sofrerão as maiores perdas de alimentos[l42] - um outro exemplo dos efeitos desiguais e injustos das mudanças climáticas. Se não pararmos essas mudanças, milhões de pessoas estarão sob o risco da fome até 2050.

É prevista uma queda no crescimento global de trigo, arroz, milho e soja. Essas culturas correspondem a 66% das calorias que todos comem ao redor do mundo.

Principais fontes de calorias

Insetos e doenças são um outro problema. Atualmente, eles destroem 20% de todo trigo, arroz, milho e soja. As mudanças climáticas tendem a tornar esse problema ainda pior com a disseminação de insetos e doenças em direção aos polos. Isso poderia reduzir o aumento da produtividade que tem sido previsto para climas mais amenos, como na Europa.

O resultado das mudanças climáticas para muitos cultivos será a queda na qualidade e o aumento nos preços. Leia mais sobre esses desafios e como nós poderemos resolvê-los no curso Alimentos e Agropecuária!

A nossa saúde será afetada?

Sim!

Ondas de calor podem causar muitos problemas para nossa saúde.

Mais ondas de calor são esperadas devido às mudanças climáticas e é estimado que estas causarão 38 000 mortes extras por ano entre 2030 e 2050. As cidades serão ainda mais quentes que as áreas vizinhas durante as ondas de calor, porque suas superfícies escuras absorvem mais calor[l44].

Quanto da população mundial está prevista para viver em cidades até 2050?


A maior parte da população mundial irá viver nas cidades em 2050, e, por isso, estará especialmente em risco durante as ondas de calor.

Sem água limpa e própria para consumo, é possível que as pessoas fiquem desidratadas, o que pode causar dores de cabeça, tortura, cansaço e danos ao corpo. O consumo de água contaminada leva à problemas de saúde, como diarreia, que é responsável por 4% da mortalidade mundial.

Alguns insetos vetores de doenças sobrevivem melhor em climas mais quentes. A malária, por exemplo, é uma doença transmitida por mosquitos e causa mais de 400 000 mortes anualmente. Hoje em dia, a maioria das infecções por malária ocorre na África Subsaariana. Os mosquitos preferem ambientes quentes e úmidos, então eles podem migrar para outros locais de acordo com o aumento da temperatura, o que coloca diferentes grupos de pessoas sob risco de uma doença mortal.

Assim como os insetos, muitas bactérias causam doenças em humanos. As bactérias crescem mais rápido quando estão em condições mais quentes. Na verdade, as temperaturas também afetam sua habilidade de trocar DNA. Em climas quentes, as bactérias podem trocar DNA mais rapidamente, incluindo partes do DNA que as tornam resistentes a antibióticos. Logo, uma maior resistência a antibióticos tornaria impossível o tratamento de muitas infecções.

Outro fator que pode afetar nossa saúde física é a poluição do ar. A poluição do ar pode piorar condições respiratórias como a asma, assim como aumentar as taxas de câncer de pulmão, derrames e doenças do coração. Existem também evidências de que a poluição do ar pode agravar infecções virais transmitidas pelo ar. O aquecimento global afeta a poluição do ar por meio do aumento de queimadas e das mudanças nas concentrações de gases próximos a superfície do solo, o que ocorre em temperaturas elevadas.

Se nenhuma mudança for feita para parar esse processo, a poluição do ar pode causar entre 1000 e 4300 mortes a mais por ano apenas no EUA até 2050.

Efeitos a curto prazo versus longo prazo da poluição do ar na saúde das pessoas

Injustiças

Você pode ter notado que os impactos das mudanças climáticas afetarão algumas pessoas e lugares mais do que outros. Nós já vivemos em um mundo desigual e essas mudanças o tornarão ainda mais.

Imagine que alguém quebrou vários vidros, porém deixou as partes cortantes todas no seu chão. Pior ainda, enquanto eles podem usar sapatos para proteger seus pés, você não tem nenhum!

Bem, isso é o que acontece com as mudanças climáticas. Os piores danos são previstos para atingir as pessoas menos responsáveis por causá-los! Em outras palavras, os países que produzem menores emissões de gases de efeito estufa serão os mais afetados. Mais ainda, esses lugares frequentemente apresentam menos recursos para se protegerem desses impactos.

Sem uma ação urgente, os impactos das mudanças climáticas podem impulsionar mais cem milhões de pessoas para a pobreza até 2030. Por volta de 99% das mortes já tem sido relacionadas às ocorrências de mudanças climáticas em países em desenvolvimento, com 80% destas correspondendo à crianças.

É previsto que até 2050, 1 em cada 45 pessoas no mundo terão de deixar suas casas devido às mudanças climáticas! As pessoas talvez migrem para escapar de secas, enchentes e outros eventos climáticos extremos. O aumento do nível do mar já está forçando as pessoas a ser mudarem e caso as temperaturas aumentem até 3 °C, cidades costeiras como Miami e Shangai poderão ficar completamente embaixo d'água!

Todas essas consequências provavelmente causarão mais conflitos entre diferentes comunidades e países. Pobreza, falta de recursos e migrações podem desencadear conflitos, e espera-se que cada um desses piorem com as mudanças climáticas.

Conclusão

As mudanças climáticas afetarão como as pessoas irão viver e morrer. De desastres climáticos extremos a nosso abastecimento de água e alimentos, essas consequências precisam ser levadas à sério.

Próximo Capítulo